expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 25 de Julho de 2014

atrasos e acessórios

• Pam pam pam pam pam pam pam •


Eu quase podia ter escutado a sirene desesperada do despertador, não tivesse eu esquecido de ligá-lo ontem à noite, antes de dormir. O corpo se acostuma a levantar no susto, acordar sacudido pelo rompante de um toque frenético e ouso afirmar que quem inventou tal mecanismo de tortura antinatural, sabia o mal que ia fazer à humanidade. É que acordar de supetão deixa qualquer pessoa nervosa, antes mesmo de sair de casa. Por que nada, no mundo, é mais gostoso (e saudável) do que acordar quando o olho abre por vontade própria.

Aí vocês me dizem: "ahhhh, Carol você tá toda errada aí! Eu só acordo com despertador, depois de 10 sonecas, etc etc." E eu digo: você dorme mal, dorme pouco, come errado, não faz exercício, não lê um livro antes de dormir, dorme com o celular na mão, assiste tv no quarto...alguma dessas opções, ou no caso da sociedade moderna (eu incluída), uma junção de todas. Só isso explica não conseguir cumprir as ordens do nosso horário biológico (por que ele existe). Já repararam que todo bebê nasce "programado" para acordar cedo? Que toda mãe reclama que acorda às 5 da manhã pra dar de mamar e etc? Então. É a gente que desprograma o corpo, criando péssimos hábitos. A gente, a vida, a zuêra, a bebida, o trabalho, os filhos, as obrigações.

E aí a gente depende desse malfadado advento da tecnologia chamado despertador. Sou tão invocada (leiam "revoltada") com o som de despertador, que acordo sempre exatos 4 minutos antes dele tocar, não importa a hora. Mas vez ou outra, quando o cansaço extremo define os compassos das minhas células acontece o inevitável: o atraso. E um look igualmente atrasado.


Fotos: Talita Mattos


Não só eu não liguei o despertador, como demorei pra sair da cama por que já acordei cansada. Meu cérebro acorda, quase que impreterivelmente, às 6:40, mas lamento que meu corpo não corresponda. À medida que vou me aproximando dos 30 (ok, vou fazer 29 rs) vou sentindo o peso de uma vida desregrada, pautada pelo excesso de trabalho e ausência de recompensas que não sejam a caipivodka do fim de semana. Então, no meio desse atraso todo (de vida e horários), eu montei um look muito básico, mas que eu confesso ter me apaixonado por ele.

Um vestido preto simples que ganhou vida com acessórios lindos do Mercado Bossa, marca colaborativa recém lançada pelas minhas queridas amigas Larissa Carvalho e Marina Bezerra. Elas emprestaram várias peças da loja para compor o Lookbook de inverno da Prosa e eu acabei comprando as minhas preferidas, que estrelam o look de hoje. (preparem-se para a overdose de looks com esse colar!)

No mais, completei a produção com meu tênis-farda + bolsa colorida, pra não sair numa vibe urubu. Apostei num batom lilás da Eudora, que na foto não aparece bem a cor, mas é divino. Depois faço um post com a cor real dele. E assim eu vim, atrasada, correndo, porém digna. 

Vestido: antigo, da C&A, R$ 79 | Bolsa: Sapatella, R$ 69 | Tênis: Farm para Adidas, R$ 249 | Colar e Pulseiras, Mercado Bossa, à venda aqui 

Beijos, Carols

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

look do dia: tendencia à vista!

O Ministério da Literatura adverte:
este texto contém mais estrangeirismos do que a sua paciência pode suportar. 
Só os fortes sobreviverão à dureza que é ler um texto em português, 
com tanta expressão inglesa no meio. Só de zuêra.



E se eu dissesse hoje, agora mesmo, neste post, que a nova trend que vai virar febre no Brasil é usar a roupa amassada? Se eu afirmasse, com todas as letras, que o new look of the year é sair com a roupa acabada de sair da máquina de lavar? Se eu confirmasse que todas as fashionistas mundo afora estão recheando o streetstyle internacional com o mais sofisticado look passion-fruit (maracujá)

Bom, eu estaria mentindo, por que essa tendência so last season (adoro essa expressão cafona!) é tipo, de 2010, em algum desfile amarrotado da Prada e tenho um feeling que não pegou pra geral. Contudo, sem querer, encontrei uma lacuna no movimentado mercado das fashion trends atuais e acho, sinceramente que vou me apropriar desse discurso de vanguardismo e sofisticação Prada-inspired, para justificar meu outfit de homeless (sem teto) de hoje. Por que gente, eu fiz uma faxina no meu lar-doce-lar ontem até de madrugada (um hurricane passou por lá) e eu não tinha condições nem de passar a roupa hoje pela manhã. #mortacomfarofa

Mesmo assim vim aqui, dar a cara a tapa e compartilhar este look despojado e easy going, só pra mostrar pra vocês que todo mundo tem um dia de roupa amassada (talvez eu mais que o resto das pessoas) e que é ok sair assim, por que ninguém na rua repara. (e quando alguém repara eu falo que amassei no metrô, beijos).

Fotos: Talita Mattos

Homeless streetstyle. So chic!


Camisa: Farm, comprada num bazar de amigas, R$ 40 | Vestido: comprado em brechó, R$ 30 | Tênis: Farm para Adidas, R$ 249 | Bolsa: Feira de Ipanema, R$ 90 | Cinto: Aquamar, R$ 14 | Óculos: Loucos por Óculos, R$ 110 | Batom: Russian Red da Mac, ganhei de presente!

Beijos, Carols

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

amor à camisa!


Hello você, que acordou sem inspiração para se vestir! Que tal tirar do armário aquela farda que dá certo com tudo? Não é novidade pra ninguém: eu vicio em certas peças de roupa e acho que todo mundo tem uma roupa que é o curinga-salvador na hora de montar um look! É inegável meu xodó por uma ou outra peça e hoje vou falar sobre a roupa mais usada deste blog: a camisa verde militar.

Meu estilo é meio bagunçado. Tem dias que eu acordo com vontade de lacrar no paetê e outro dia eu acordo com espírito de mendiga, mas seja qual for o humor, a camisa verde militar transita entre todas as minhas manifestações fashion: das mais alinhadas às mais despojadas.



Eu amo essa camisa e sempre que encontro alguma parecida fico tentada a comprar por dois motivos muito simples: 1) verde militar é uma das minhas cores preferidas; 2) essa camisa já está rasgando nas costas, de tanto uso. Mas como é nas costas e eu não vejo, não me importo. hahahahah #soudessas

Essa camisa foi baratinha também. Minha irmã comprou pra mim na Stradivarius, em Portugal por 17 euros e se eu fizer aquele cálculo de dividir o preço da peça pelo número de vezes que ela já foi usada pra saber quanto ela vale cada vez que eu uso, posso dizer que ela está valendo uns 10 centavos. kkkkk Quer compra melhor que essa? 

E vocês, tem alguma peça que já anda sozinha? :P

Beijos, Carols

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

look do dia: combinação perigosa!

Dizem as más línguas que vermelho e oncinha juntos formam uma combinação perigosa. Pois eu devo dizer que acho essa mistura ousada, impactante, soberba e lacrativa. Exatamente nessa ordem. É o tipo de receita para os dias em que a sua autoestima desceu pelo ralo, junto com o resto de shampoo. Vermelho e oncinha juntos, provoca um efeito devastador no trânsito da cidade. hahahhaha É aquele peruismo saudável que, de vez em quando, é essencial pra fazer a gente se sentir poderosa.

Então hoje eu vim assim, desse jeitinho, toda metida a sensual. hahahahah Combinei essa peplum maravis da Marina Morena, com um mix de colares e calça jeans básica. Outro "truque" do look de hoje foi o corte das roupas: calça flare + peplum é magreza instantânea. Malhar e fazer dieta também emagrece. kkkkk #precisovoltarpraacademia #topreguiçosa


E aí? Gostaram do visual perua? Meu estilo tem sido mais largado/mulambo/trombadinha, mas de vez em quando é bom subir num salto e encarar a felina. hehehehe

Blusa: Marina Morena, R$ 89 à venda aqui | Calça: Leader, R$ 69 | Bolsa: C&A, R$ 29 | Sandália: Arezzo na promo, R$ 140 | Colares: Zinzane (o de franjas) e o outro ganhei da minha tia | Óculos: Loucos por Óculos, R$ 110 | Batom: Russian Red da MAC.

Beijos, Carols
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...