expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 12 de agosto de 2014

look de domingo: feijoadinha

Quem aqui ficou sem tempo, levanta a mão! o/ Semana passada saí de férias e não tive tempo sequer de subir o post de um look de domingo (que usei pra ir na feijoada do Cardosão). Que vergonha. Então, enquanto estou preparando uma avalanche de posts sobre minha viagem, vou postando coisas atrasadas. hehehehehe Taí, o look de domingo retrasado. Timing perfeito, só que não. :P


Domingo fui toda florida comer uma feijoada deliciosa e aproveitei para tirar fotos com meu cabelo novo. hihihihi Mais uma vez fui ao Werner (falei aqui e aqui sobre o salão) e me entreguei sem medo à dupla Anderson & Lia (cabeleireiro e colorista) hehehe que SEMPRE acertam no meu cabelo. Bendito o dia em que cruzei o caminho desses dois. 

Cortei uma franja curtinha, uma vibe meio argentina de ser e Anderson conseguiu um feito incrível: dar volume aos meus cabelinhos ralos. Já tive franja reta e não tinha curtido o resultado no passado, mas Anderson repicou minha franja toda e a danada já acorda empinadíssima, sem precisar de secador! Como meu cabelo estava muito escuro, quase sem ombré, pedi a Lia que desse uma suavizada no tom, puxando para um loiro mel discreto, sem aquele efeito dramático das californianas. Ficou PERFEITO. Um degradê suave e levinho, do jeito que eu queria, para chegar em Cartagena com ares de "já estou loira de sol". kkkkk Daí achei que deveria criar um look que combinasse com o cabelo: meio solto, meio despojado, meio colorido, e este foi o resultado: 


Adorei essa combinação improvável e look hippie-chic com tênis de corrida. Comprei recentemente esse tênis da Adidas, numa promoção no site da marca e estou apaixonadíssima. Super confortável e ouso dizer que combina com 90% do meu armário. Foi amor à primeira vista e eu não tiro mais do pé. O look poderia ser meio romântico-caribenho, mas o tênis fez aquele contraponto legal e inusitado, tornando a produção mais interessante. Acho que já comentei com vocês aqui no blog, que esse é um dos efeitos que eu mais curto criar num look: ter alguma peça que parece não combinar com nada, mas no contexto ela acaba harmonizando muito bem com a obra.

O que acharam do look? Lindinho né?

Blusa: C&A, R$ 79 | Saia: comprada em brechó, R$ 15 | Bolsa: Sapatella, R$ 69 | Cinto: Aquamar, R$ 14 | Anel: C&A, R$ 9,90 | Tênis: Adistar Racer, da Adidas, R$ 129 | Brincos: comprado em alguma barraquinha de rua em Ipanema, R$ 8 | Óculos: presente da irmã.

Beijos, Carols

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

#vemcomigo: Cardosão

Quando eu morava Recife, era meio acomodada à cidade e acabava passando o domingo na casa de uma avó ou da outra. Quando eu fazia alguma coisa diferente era ir no Recife Antigo ou, no máximo, comer uma tapioca em Olinda. Essa coisa de ter que pegar carro e dirigir no trânsito a semana inteira, me deixava sem vontade de dirigir também aos fins de semana, de modo que eu permanecia no sofá mesmo, curtindo um Faustão depressivo. Mas desde que cheguei ao Rio de Janeiro, meus domingos são sempre bem apreciados e este não foi diferente. Foi um domingo gostoso, desses que a gente pede para não acabar. 

Eu não conhecia o lugar, mas fui devidamente apresentada ao Armazém do Cardosão, um restaurante com ares de boteco, bem familiar e tradicional, perdido em alguma ladeira do bairro de Laranjeiras.[Antes de continuar o post, preciso fazer uma observação a este bairro: Laranjeiras é um nome tão doce para um bairro. Queria morar ali, naquele lugar com nome de árvore de fruta.]


O Cardosão (para os íntimos) é um daqueles lugares imperdíveis do Rio de Janeiro por vários motivos que passo a enumerar: é tranquilo, reservado, ambiente familiar e aconchegante, tem mesinhas na rua que, por sinal, é linda demais, tem parquinho para as crianças, é silencioso e ainda dá para ver o sovaco do Cristo, atividade super apreciada pelos locais. :)

Mas o principal atrativo do Cardosão é a feijoada magnífica e ultra deliciosa e a cerveja sempre gelada. Posto isto, não preciso dizer mais nada. Acho que vale passar uma tarde inteira entre amigos, apreciando essa experiência fantástica.


Mas só feijoada? Não. O Cardosão oferece um maravilhoso parque infantil com escorregas, balanços e gangorras onde você, cara leitora, poderá tirar várias fotos conceituais com amigos ousados, depois de beber uma caipiroskinha. Poderá ainda usar a rua como cenário para looks do dia, garantindo muita beleza para o seu instagram. hehehehe Isso é viver a experiência Cardosão no máximo do seu esplendor. Capricha na performance, por que depois da feijuca, não sobra energia nem pra levantar da cadeira. 


Fotos conceito, amigos conceito, 
luz conceito, fusca conceito, gangorra conceito,
feijoada super conceito. 

O Armazém do Cardosão fica
na R. Cardoso Júnior, 312 - Laranjeiras. :)

Beijos, Carols

sábado, 2 de agosto de 2014

Vamos voar juntos?



Desde criança eu desenho, pinto, escrevo, canto no banheiro e invento coisas para ocupar minha cabeça, que é frenética e busca sempre algo novo, inspirador e emocionante. Sou dessas pessoas intensas, 8 ou 80, que ama ou odeia, que toma as dores, que assume uma posição, que não fica em cima do muro. Sou cética e realista, dessas que vê as coisas com uma certa crueza, mas tenho sonhos gigantes e neles eu me deixo embarcar numa leve embriaguez. Digamos que escrevo minha vida com um certo romantismo que equilibra meus rompantes de extrema praticidade.

Um desses sonhos era criar. Sempre fui de criar coisinhas e por esse motivo entendi que deveria encontrar uma profissão criativa. Virei diretora de arte e passei os últimos 9 anos da minha vida criando para os outros. Mas a vida de publicitária não é glamour e holofotes. É uma ralação constante, uma pressão absurda e uma urgência digna de SUS. Parece piada, mas parece que estamos salvando o mundo. Esse é o espírito que geralmente impera dentro de quase toda agência de publicidade. Tudo é para ontem e suas horas de vida são propriedade da agência. 

O que aconteceu comigo, acontece com muitas pessoas do mercado publicitário: a gente ama o que faz, mas nem sempre aguenta fazer do jeito que o mercado pede. É exaustivo, é louco, é insano e poucas vezes é realmente gratificante. Eu estava infeliz e a infelicidade consome até o mais insistente dos sorrisos. E aí caiu a ficha. O que foi que eu fiz por mim nesses últimos 9 anos? Viajei muito? Não, por que só tirei férias de verdade, uma vez. Comprei uma casa própria? Não, continuo morando de aluguel. Investi na minha saúde e bem estar? Não, por que não tinha energia pra me levantar da cama e saía do trabalho exausta. Fiquei satisfeita e realizada? Não, por que a maioria dos trabalhos gera um desgaste emocional e físico gigante.

Virei noites e noites para cumprir os prazos apertados de qualquer agência e ainda vi cara feia quando cheguei tarde no trabalho (por que não dormi, risos). Vi meu cabelo cair de tanto estresse, trabalhei doente, febril, toda ferrada, saí devastada de várias reuniões de esporro, vi a frustração ser meu prato do dia, trabalhei dobrado e me vi reduzida pela metade. Então fechei a conta e vi que o saldo era negativo em todas as agências que eu trabalhei. Muito negativo.

Vi que adoecer toda semana, ter vertigens na frente do computador, não conseguir levantar para trabalhar, me sentir constantemente irritada e depressiva, chorar antes de dormir, ter ataques de ansiedade antes de sair de casa, eram sinais mais do que suficientes para eu mudar meu caminho a qualquer custo. Como minha mãe sempre diz: "se hoje você não encontra tempo para cuidar da sua saúde, um dia você vai ser obrigado a encontrar esse tempo." Mamãe é sabia.

Coloquei uma meta na minha vida, que era sair do mercado antes dos 30 (quando eu completaria 10 anos de criação) e estou cumprindo esta meta agora, à beira dos 29, antes de enlouquecer. Não sei se vai dar certo, não sei o que o futuro me reserva, não sei se voltarei a ser publicitária, mas sei que do outro lado dessa porta existe um sonho ambicioso de inúmeras possibilidades: o sonho de criar constantemente, o sonho de voltar a ilustrar com a intensidade de sempre, de pintar, de estudar, de fazer minhas estampas e ver materializado uma coisa 100% minha, de ter domínio próprio e irrevogável das 24 horas do meu dia. 

Nunca pensei que eu teria coragem de largar minha profissão tão suada (e que eu gosto! mas sofro hehehe), mas contei com o apoio de tantas pessoas, que acreditaram no meu potencial, que seria injusto eu não acreditar também. Minha mãe apostou o que tinha para me ajudar. Meus amigos se prontificaram a qualquer coisa e até minhas leitoras foram, sem perceber, incentivadoras constantes do meu trabalho. Eu não poderia pedir mais. Pela primeira vez na minha vida eu chutei o balde sem medo das consequências e decidi me dedicar inteiramente à Loja Prosa. Logo eu, que queria seguir o caminho mais estável possível, só mexer na poupança em caso de emergência, ter uma casa com cachorro e jardim, salário certinho no fim do mês, e nunca precisar passar os perrengues que minha mãe passou, optei por um caminho que eu nem conheço bem. 

Mas mamãe me disse umas verdades na cara e eu tive que acordar pra vida: "Filha, eu criei 2 filhas sozinha, sem ajuda de pai nenhum, num país estrangeiro, vendendo roupa na feira. Tenho duas filhas bem criadas, trabalhadoras, honestas, comprometidas, inteligentes e educadas. Se eu fiz isso aos 20 e poucos anos sozinha, sem dinheiro, sem estudo e sem apoio, você consegue fazer muito mais." Depois dessa, era até injusto com tudo o que minha mãe fez por mim, eu colocar meu sonho Loja Prosa a perder, por medo de enfrentar o desconhecido né? Por isso a Prosa virou meu plano A, minha válvula de escape, aquela bóia que eu precisava encontrar para pular fora do barco e seguir nadando.

Passei semanas maturando a ideia de me demitir. Passei noites sem dormir direito nesse processo. Vi minha mãe desesperada dentro de casa, com a minha cara de infelicidade extrema, mas quando tomei a decisão fui invadida por um alívio. Não doeu. Tinha chegado a hora. Por isso o look de quinta-feira foi especial, por que foi meu último dia de trabalho na agência. Foi pra fechar um ciclo de vida e abrir outro ainda mais incrível e cheio de forças renovadas.

Como vai ser esse caminho? Estou pensando, planejando, matutando. Não tenho nada no papel, mas tenho a certeza do sucesso, por que o que vem do coração tem mais força. Mas antes de seguir essa estrada sinuosa, comprei uma passagem para Cartagena, na Colômbia, e vou tirar uns merecidos 6 dias de férias sozinha. Sem email, sem loja, sem agência. Vou lá, repor as energias, ver coisas diferentes, escrever bastante, ler mais ainda, pensar sobre meu negócio, minha marca, meu blog, ver gente diferente, comer coisas diferentes, criar estampas novas e agradecer às pessoas à minha volta (minhas leitoras inclusive!) pelo incentivo (direto ou indireto) de começar de novo. Vou, mas volto, infinitamente mais reluzente e bronzeada. hehehehehe Pronta para começar uma vida novinha em folha. 

É que se existe uma coisa que eu aprendi com todas as mudanças profundas que já tive na vida (nem parece que eu vivi apenas 28 anos!), é que mergulhar num futuro incerto dá vertigem, dá medo, dá angústia, mas a coragem de dar esse passo em frente, nos oferece um belo par de asas. 

Vamos voar juntos? :)


Beijos, Carols

quinta-feira, 31 de julho de 2014

look do dia: morro da conceição

Eu tenho uma paixão pelo centro das cidades. Não sei se é por que (quase) todo centro de cidade me lembra as ruas e vielas sinuosas de Alfama, em Lisboa, onde passei os primeiros momentos da minha vida assim que cheguei a Portugal, mas o fato é que todo centro tem tesouros escondidos e paisagens de tirar o fôlego. 

Quando trabalhei numa agência de publicidade no Recife Antigo, adorava tirar as fotos de look do dia por lá. Vários cenários diferentes, arquitetura maravilhosa e uma iluminação que só o centro pode nos oferecer. Aqui no Rio não é diferente e o centro se parece muito com o de Recife e, consequentemente, com o de Lisboa. Seja qual for o lado para onde olhamos, sempre somos surpreendidos por algum beco charmoso. É inspirador!

Uma das minhas recém-descobertas apaixonantes foi o Morro da Conceição, uma parte meio escondidinha, cheia de casinhas fofas e ruelas coloridas, nas imediações do MAR (Museu de Arte do Rio). Fico com vontade de morar num lugar assim, meio parado no tempo. Um vórtice bucólico no meio da loucura da vida moderna. E foi num desses becos, Talita fotografou meu look de hoje.

 

Olhem que coisa linda! Além das casinhas fofas, o beco tem essa escadaria pintada de bandeira do Brasil. Absolutamente irresistível tirar fotos aí e Talita arrasou muito nos clicks! :)

Hoje é um dia especial, por motivos que comentarei longa e demoradamente aqui no blog, num texto provavelmente gigante, intenso e expressivo. Risos. Por isso abandonei o cansaço no travesseiro e investi numa produção caprichada, que eu simplesmente adorei. Amo camisa xadrez, essa principalmente, e amo saia midi, essa principalmente. hehehehe Xeque-mate!

Achei que este look tem um quê de clássico revisitado e poderia ser uma produção super monótona/conservadora/cafona, mas no fim das contas ficou charmosa, interessante, feminina e bem confortável. O tipo de look que eu vou querer repetir com certeza, por que me senti feliz dentro dessa roupa. :)

Camisa: Farm, comprada num bazar de amigas, R$ 40 | Saia: Renner (era longa e eu cortei), R$ 99 | Bolsa: Sapatella, R$ 69 | Óculos: presente da minha irmã | Sandália: Arezzo na promo, R$ 140 | Pulseira: Mercado Bossa, R$ 48 à venda aqui |  Batom: Russian Red, MAC | Brincos: Miallegra, R$ 39

Beijos, Carols
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...